quinta-feira, 16 de maio de 2013

Texto sobre tudo o que passamos.

Os transtornos alimentares são doenças silenciosas. Estamos todos gritando silenciosamente para uma coisa: atenção, amor, ajuda a escapar, ou o perdão. Embora possamos estar procurando preencher espaços vazios diferentes, nunca pedimos as coisas que precisamos. Nós nos sentimos indignos, que por alguma razão nós não merecemos eles. Então, nós jogamos o jogo de adivinhar o que eu preciso de você. Você está incapacitada de adivinhar, só alimenta nossos sentimentos de inutilidade.Quando você finalmente percebe que há um problema, é tarde demais. Vamos agora lutar, mentir, enganar e para segurar a única coisa que tem nos dado apoio. Você vê os sintomas, perda de peso, ganho de peso, ou depressão. Você assiste-nos morrer de fome, comer, "limpar" e se isolar. Dizer-nos para comer ou não comer, para dormir ou para se levantar e fazer algo, você não consegue entender porque não podemos simplesmente ficar melhor.Se fosse só isso seria fácil! Alguns de nós têm estado a viver com isso, como este, neste inferno de metade de nossas vidas ou mais. Sinceramente acredito que é a coisa que nos faz manter juntos. Mesmo quando todos os outros a vêem como a única coisa que está nos fazendo ruir em pedaços. Não é apenas uma parte de nós, mas tornou-se nós. É a nossa identidade e quem somos nós sem ele? Muitos de nós têm medo de descobrir. Temendo que sem eles não somos nada.Torna-se nossa companheira única. É a única coisa que nos faz fortes, de modo que não precisamos, não queremos e não sentimos. É a nossa capa de invisibilidade. Com ele em que você não pode nos ver, você não pode ver a nossa dor e vergonha, que começam a desaparecer.
Lentamente no início e então antes que você perceba que se foram. Perdido em um mundo de dor. Sempre lutando para o controle que nunca parecem chegar.No início, o controle é fácil ea alta dela incrível. Eu posso ficar sem comer por 4 dias, eu posso exercer por 4 horas por dia, ou eu posso vomitar tudo o que eu comer. Eu estou no controle. Mas em algum lugar ao longo da estrada que perdemos o controle e o transtorno alimentar assume uma vida própria. Nós já não conseguimos controlá-lo. Ele nos controla. Acordamos na manhã ouvindo a voz e não consigo dormir à noite porque a voz é muito alta.Nós não ouvimos ninguém, exceto o nosso transtorno alimentar. Acreditamos que estamos gorda, inútil, indigno, indigno de ser amado, e fraco. Nós honestamente acreditamos que perder peso vai em algum nível, fazer as coisas se tornarem melhores. Nós acordamos com pensamentos sobre comida, pois eles consomem-nos durante todo o dia, e muitas vezes causam noites sem dormir. Torna-se tudo o que importa. Ouvimos as vozes que constantemente nos dizem que não são bons o suficiente, fina o suficiente, forte o suficiente, um pouco mais e então podemos parar. Mas há sempre um pouco mais e ele não pára.Você pode ver nos prejudicarmos a nós mesmos e não entender, nós realmente não entendemos tanto. Sabemos que temos de perder peso. Sabemos que temos de nos punir quando sentimos culpa e vergonha. Usamos laxantes, exercícios, privação de sono, e auto-mutilação para tirar a dor. Muitos de nós chegar ao ponto onde a dor é demais e a estrada por tanto tempo, decidimos que é não vale a pena.
Como não temos pena, o mundo não vai perder-nos. Se pudéssemos simplesmente desaparecer, a dor ia embora e nós não iriamos mais ferir os outros com os nossos problemas.A morte se torna uma saída. Não pode viver para sempre com um transtorno alimentar, não pode viver sem ele. Torna-se a questão que vai ponderar para muitos, muitos anos antes de ter uma resposta definitiva. Eu quero viver? Por quê?Nossas razões para não viver pode parecer comum para alguém sem um distúrbio alimentar. Você não pode sentir nosso vazio ou entender nossa solidão. Não podemos partilhar este mundo de silêncio que fizemos para nós mesmos. É a única coisa que pôde ter nos salvado no passado e pode matar-nos no futuro.Você olha para a conseqüência e não pode imaginar por que faria isso para nós mesmos. Estamos perdendo nossos cabelos, apodrecendo os nossos dentes, sangrando quando vomitamos ou até mesmo escovando os dentes, tonta, cansada, desidratada, desnutrida e mentalmente instável. E em algum momento essas coisas nos assustam. A primeira vez que vomita sangue, passando frio lá fora ou ser admitido é uma experiência de abrir os olhos, mas geralmente não o suficiente para parar o comportamento.
Alguns de nós podem até mesmo ver essas conseqüências como reforço que somos bem sucedidos em alguma coisa. Olha, eu sou realmente bom em estar em transtornos alimentares!Que desistir seria dar um pedaço de nós que não temos certeza que podemos viver sem. Ele está conosco na parte da manhã, dizendo-nos para obter na escala para o primeiro teste do dia. Mesmo que o número é baixo nunca é bom o suficiente. Em seguida, tomar um banho, onde nós fechamos os olhos porque estão à vista de nós mesmos é tão preocupante. Em seguida é encontrar algo para vestir. Isso pode demorar horas, porque nada se encaixa bem e tudo se sente apertado. Depois de tudo isto está na hora de almoço? Nenhuma maneira que nós podemos comer depois daquela manhã decepcionante.O dia se passa na mansão mesmo. Nada é bom o suficiente, nada muito certo.Então, nós empurramos a comer menos, correr mais rápido, mais dança, o que estamos fazendo, devemos ser o melhor. Em seguida, vem a noite, onde as distrações do dia não estão lá para abafar as vozes. O sono é difícil quando os pensamentos de desesperança, auto-ódio, fracassos e ruminar suicídio por horas.
Então, ao invés de tentar dormir muitos de nós passam horas intermináveis ​​em nossos computadores, exercitando, lendo, limpeza, tudo para evitar dormir. Nós finalmente dormimos normalmente por apenas algumas poucas horas, e então o ciclo começa novamente. Só que agora temos de bater no dia anterior, pesar menos, comer menos, fazer mais. Ao nosso lado o nosso treinador e parceiro fiel enchendo nossas cabeças com as críticas, exigências e insultos.Embora dizemos que odiamos as vozes e a desordem. Nós não odiamos tudo. Nós amamos a vista de ver os números para baixo. Temos tempo para esse sentimento, vazio numb que vem com fome. Nós prosperamos sobre o que começa como elogios e vira-se para se preocupar com nosso emagrecimento. Nada de se livrar dos sentimentos da forma que vomitar faz. A desordem é a única coisa que nos faz sentir fortes e especiais, enquanto ao mesmo tempo, deixando-nos desaparecer e fugir da vida.Diremos nós não queremos a sua ajuda. Às vezes, porque estamos em negação e realmente acredito que as coisas estão bem, às vezes nos sentimos culpados de receber ajuda, porque nos sentimos indignos, e às vezes ele acaba de tanto tempo que nós temos a esperança e aceitamos que "eu vou viver com isso até isso me matar ".
Quando dizemos que não queremos a sua ajuda, essas são as vezes que precisamos mais delas. Precisamos de você se levantar para nós quando mal possamos suportar, amar-nos quando nós odiamos a nós mesmos, manter a nossa esperança quando nos sentimos sem esperança, e nunca desistir de nós, a forma que damos a nossa a nós mesmos.Vamos empurrá-lo afastando. Vamos deixa-los com raiva de nós. Nós dizemos-lhe que não preciso de você e que é para deixar-nos sozinhos. Vamos jogar birras e até mesmo recusar comida. Vamos fechar para cima e para bloqueá-lo. Vamos explodir a compromissos importantes. Vamos fazer as coisas que tenho dito, não podemos, exercício, mascar chiclete, beber Diet Coke e vamos empurrar todos os limites.Nós não fazemos estas coisas para feri-lo, estamos com medo e nos sentimos ameaçados. Você quer que a gente desista de algo que não podemos imaginar viver sem.Portanto, seja paciente conosco. Se você é um pai, esposo, amigo, terapeuta, ou médico; chegará um momento em que percebemos o que você tem feito por nós.
Quando chegaremos para você e pediremos ajuda. Quando vamos aliviar o seu fardo e começar a cuidar de nós mesmos. Vamos compartilhar mais, sorrir mais, e viver mais do que você tem visto nos fazer em anos. Podemos ainda ter pensamentos negativos, ser obcecada por comida e pelo corpo, e comer em uma mansão diferente do que você, mas demos um grande passo na recuperação e o resto virá com o tempo. Podemos sempre ter problemas com a comida e com corpo, mas agora temos saídas para a negatividade fora e sabemos que está tudo certo para pedir ajuda. Só porque o nosso sintomas diminuem, não significa que não precisamos mais de você. Nós sempre precisamos de você.

Fim.

Desabafos.

“Ela olha no espelho e vê cicatrizes em suas pernas. Ela desliza suas mãos sobre seu estomago,e ela sorri assim que suas mãos param sob um de seus ossos. Nem um pedacinho de comida irá passar por seus lábios.Ela olha como se a brisa mais leve fosse soprá-la para longe , como se o toque mais suave a quebraria . Parecendo estar tão pálida e frágil, mas ainda elegante. Nem um pedacinho de comida irá passar por seus lábios.”

2° dia de eca

Olá, depois de algum tempo longe estou de volta, mais gorda do que nunca. Comecei ontem com o eca, os sintomas são os mesmo, boca seca, tontura...e não sinto fome! To me sentindo menos inchada.. Apesar de estar atrasada a minha menstruação. Tentei ficar um tempo longe da ana, mais isso só resultou em 10kg a mais. E não adianta, antes doente e magra, do que gorda infeliz. Essa é minha vida. 

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Tantos amigos. Tantos lugares. Tantas frases e livros e sentidos. Tantas pessoas novas. Indo. Vindo. Tenho só um mundo pela frente. E olhe pra ele. Olhe o mundo! É tão pequeno diante de tudo o que sinto. Sofrer dói. Dói e não é pouco. Mas faz um bem danado depois que passa. Mas agora, com sua licença. Não dá mais para ocupar o mesmo espaço. Meu tempo não se mede em relógios. E a vida lá fora, me chama.

- Eu preciso saber

A recaída de amor acontece como num daqueles pesadelos que se está caindo. De repente você acorda sentado na cama: Meu Deus, eu preciso saber! Mas se eu já estava tão bem há semanas. Volte a dormir, volte a dormir. Você já tinha decidido lembra? Nada a ver com você, chato, bobo, não deu certo. Mas eu preciso saber. Não, não precisa. Pra quê? Vai te machucar. Não! Eu preciso saber. Então levanto da cama.
Facebook, a desgraça em formato de parquinho virtual. Nome dele, aparece a foto azulada e ele de perfil. É tão bonito. Mas não há mais nada que eu possa ver. Nos deletamos mutuamente pra evitar justamente esse tipo de inspecão noturna.
Mas isso não vai ficar assim. Ligo pra nossa amiga em comum. Ela não atende, afinal, são duas da manhã. Mando mensagem "me manda sua senha do Facebook agora ou vou ficar te ligando até amanhã cedo". Ela manda a senha e um palavrão. Acesso. Vamos ver. Eu preciso saber. Eu preciso. Então vejo que ele não posta nada há cinco semanas. Fotos, fotos. A única foto nova é o flyer de uma festa que eu fui e ele não estava. Nada.
Jogo o nome dele no Google. Aparece uma foto dele alcoolizado dando entrevista em uma festa de mídia. Como é lindo. Tento o Twitter mas ele só escreve piada de político. Tento o Facebook, Twitter e blogs de amigos. Está ficando tarde. Se eu tivesse essa mesma concentração e minuciosidade e empenho e energia para o trabalho estaria rica. Estou retesadamente motivada e atenta. Mas não consegui nenhuma informação e eu ainda preciso saber.
São seis da manhã. Estou cansada. Coloco a música de quando você forçou a porta do quarto e entrou. Black Swan. Não sou boa de inglês como você, mas sei que é a história de algo que já começou fodido porque cresceu demais antes da hora, você que pegue um trem e suma daqui. Que bela música pra começar. Ok, agora estou chorando. Lembrei que eu me sentia tão viva com você me olhando bem sério e bem no fundo dos olhos e machucando meu braço. Sim, é definitivamente uma recaída e eu acabo de decidir que te amo mais que tudo no universo e que amanhã, ou hoje, porque já são sete e meia da manhã, vou resolver isso. Agora preciso dormir só um pouquinho.
Volto pra cama. Coração disparado. Não tem posição na cama. O que eu faço? Não tô a fim de ler, não tô a fim de ver TV. Aquelas outras coisas que se faz pra acalmar tô com preguiça agora, minha imaginação está indo toda para traçar um plano para que eu descubra. Descubra o quê? Não sei, mas sei que algo está acontecendo, ou eu não estaria assim. Porque eu sinto quando ele está com alguém, sabe? Eu sinto. Sim! A cartomante!
Ligo pra Zuleide. Você atende hoje? Mas é domingo, Tati! Atende? Só se for por telefone. Tá bom, então joga aí: ele está com alguém? Mas Tati, você quer mesmo saber isso? Quero, mulher. Eu preciso saber. Joga aí: ele está com alguma puta? Tati, eu não posso perguntar isso pras cartas. Pergunta aí: ele tá com alguma piranhuda desgraçada vagabunda vaca dos infernos? Zuleide pede desculpas e desliga. Preciso do Lexapro mas ele acabou há semanas, igual meu amor. E agora, de repente, preciso tanto dos dois novamente.
Você acha que ele está com alguém? Não sei, Tati, eu ainda tô dormindo, posso te ligar mais tarde? Você acha que ele está com alguém? E se estiver, Tati, quer ir ao cinema mais tarde? Você acha que ele está com alguém? Putz, sei lá, homem sempre tá comendo alguém né? Você acha que ele está com alguém? Tati, do jeito que ele gostava de você? Claro que não!
Chega, chega. Preciso me acalmar. Pra que isso? Se ele estiver com alguém agora, e daí? Terminamos não terminamos? Ele e eu não temos nada a ver, certo? Decidimos que era melhor assim, certo? Eu não tava bem com ele e nem ele comigo, certo? Porque era bom e tal. Aliás, meu Deus, como era bom. Mas não era bom pra ficar junto, certo? Então pronto. Chega. Adulta, adulta. Qual o problema se ele estiver agora, justamente agora, lambendo a virilhazinha de alguma desgraçada? Qual o problema? Ok, eu posso morrer. Eu definitivamente posso morrer. Chega, vou acabar com essa palhaçada agora mesmo.
Tomo banho, me visto, pego a bolsa, entro no carro. Considerando que ele não mora em São Paulo, não sei exatamente o que eu pretendo com isso. Mas me faz bem enganar o cérebro e fazer de conta que estou indo atrás da verdade. Na verdade vou só na casa de outro, preciso fazer qualquer coisa que não seja sofrer, mas não consigo. O outro não conhece Black Swan, não ri da história da Zuleide, não me aperta o braço.
Volto pra casa destruída. Sinto tanto amor dentro de mim que posso explodir e bolhas de corações vermelhos atingiriam o Japão. Quase não consigo respirar. Chega, chega. Ligo pra ele. Ele não atende. Ligo de novo. Ele atende falando baixinho. Você está com alguém? Estou. Desligamos. Pronto, agora eu já sei. Depois de um final de semana inteiro de corações palpitantes, músicas, textos, amigos, danças, gritos, sensações, assuntos, choros, dores. Agora eu já sei.
O que eu nunca vou saber é porque faço tudo isso comigo só porque tenho tanto medo do tédio. Era só isso o que eu precisava saber.

terça-feira, 3 de abril de 2012

Não consigo parar de me sentir feia, gorda... Me olho no espelho e só vejo gordura, espinhas, celulite...Não consigo sair na rua, não consigo estudar, minha vida fica parada e não sei o que fazer. Eu tentei tanto lutar contra mim mesma, mas não to consigo sozinha. Não sei como me libertar. Cansei de impor metas e quebrá-las. Cansei de ser fraca, cansei de mim...